Postagens mais visitadas

terça-feira, 4 de julho de 2017

Análise da Casa dos Imortais

Casa dos Imortais

 
       Esse talvez seja um dos mais emblemáticos capítulos dos livros e das narrativas de Daenerys, aqui só iremos analisar a Casa dos Imortais dos livros, depois eu farei uma sobre a da série, até porque esse texto vai ficar muito, muito longo. Eu vou analisar todas as referências, e citá-las aqui, seja passado, presente e o futuro.



 "...Lá dentro, verá muitas coisas que a perturbarão. Visões adoráveis, e de horror, maravilhas e terrores. Imagens e sons de dias passados, dias por vir e outros que nunca aconteceram. Habitantes e servidores poderão falar com a senhora à medida que avançar. Responda-lhes, ou os ignore, como quiser, mas não entre em nenhuma sala até chegar à sala de audiência". - Pyat Pree sobre a Casa dos Imortais.
 
 " Numa sala, uma bela mulher estendia-se nua no chão enquanto quatro homenzinhos rastejavam por cima dela. Tinham caras pontiagudas de ratazana e mãozinhas cor-de-rosa, como o criado que lhe tinha trazido o copo de sombra da tarde. Um deles subia e descia entre suas coxas. Outro atacava seus seios, mordendo seus mamilos com a boca úmida e vermelha, rasgando e mastigando".
        Aqui temos uma referência a Guerra dos Cinco Reis, e apesar de ter esse nome, nunca, de fato, os cinco entraram em guerra ao mesmo tempo. Então essa mulher seria a representação de Westeros, e os homenzinhos são os reis brigando por ela e a destruindo nesse processo.



"Mais à frente, viu um festim de cadáveres. Massacrados de forma selvagem, os convivas jaziam espalhados por cima de cadeiras viradas e mesas de montar estilhaçadas, estatelados em poças de sangue coagulando. Alguns tinham perdido membros, ou até a cabeça. Mãos  cortadas seguravam taças ensanguentadas, colheres de pau, aves assadas, nacos de pão. Num trono acima deles, estava sentado um morto com cabeça de lobo. Usava uma coroa de ferro e segurava numa mão uma perna de cordeiro como um rei seguraria um cetro, e seus olhos seguiram Dany com um apelo mudo."

           A referência aqui é clara, o Casamento Vermelho. O rei com a cabeça de lobo é o Robb, e seus homens que foram mortos em um jantar de casamento. 

"Ela fugiu dele, mas só até a próxima porta aberta. Conheço esta sala, pensou. Lembrava-se daquelas grandes vigas de madeira e das faces de animais esculpidas que as adornavam. E ali, do lado de fora da janela, um limoeiro! Vê-lo fez o coração de Dany doer de saudade. É a casa da porta vermelha, a casa em Braavos. Assim que aquele pensamento atravessou seu espírito, Sor Willem entrou na casa, apoiando-se pesadamente em sua bengala. - Princesinha, aqui está - ele disse com sua voz áspera e bondosa- Venha, venha até mim, senhora, está em casa agora, está a salvo agora. - sua grande mão enrugada estendeu-se para ela, suave como couro velho, e Dany quis pegá-la e beijá-la, desejou isso mais do que já tinha desejado qualquer outra coisa na vida."
          Foi o lugar aonde a Daenerys passou sua infância, e vez ou outra ela sempre relembra. Quando eu for falar da teoria do Limoeiro voltaremos a esse ponto da Casa dos Imortais, mas isso será em outro texto. Guardem esse trecho, ele tem uma informação interessante.


 " Os crânios de dragões mortos miravam-na das paredes. Num trono elevado cheio de farpas, sentava-se um velho com ricos trajes, de olhos escuros e longos cabelos cinza-prateados.-Que ele seja rei de ossos esturricados e carne assada - disse para um homem que estava embaixo - Que seja rei de cinzas- Drogon guinhou, enterrando as garras e seda e pele, mas o rei em seu trono não o ouviu, e Dany seguiu adiante."
      
         Aqui é Aerys II, ele deve estar falando com um alquimista, ou com Jaime, ou seja lá quem for. Pode ser duas referências desse momento: Quando ele começou a perder a guerra e viu Tywin em seus portões, e pode ser que ele esteja planejando algo contra Rhaegar, a relação entre pai e filho já estava abalada há um bom tempo. 


"Seu primeiro pensamento, na vez seguinte em que parou foi Viserys, mas um segundo olhar fez Dany mudar de ideia. O homem tinha os cabelos do irmão, mas era mais alto, e seus olhos eram de um tom índigo, não lilases.- Aegon – ele disse para uma mulher que amamentava um recém-nascido numa grande cama de madeira. – Que nome melhor para um rei?- Fará uma canção para ele? – a mulher perguntou- Ele já tem uma canção. É o Príncipe que foi prometido, e é sua a canção de gelo e fogo – ergueu o olhar quando disse aquilo, e seus olhos encontraram os de Dany, e pareceu que a viu ali em pé através da porta – Terá de haver mais um – ele disse, embora Dany não soubesse dizer se estava falando para ela ou para a mulher na cama. – O dragão tem três cabeças – dirigiu-se ao banco da janela, pegou uma harpa e seus dedos correram com leveza sobre as cordas prateadas. Uma doce tristeza encheu o quarto enquanto homem, esposa e bebê se desvaneciam como a neblina da manhã, deixando para trás apenas a música a fim de apressá-la.”

         Aqui é Rhaegar conversando  com Elia Martell. Aqui já vemos que Rhaegar está começando a criar uma obsessão pela teoria do Azor Ahai, e todas essas místicas... Será que Jon foi fruto mesmo de um amor ou de uma obsessão de Rhaegar?




“- Daenerys da Casa Targaryen, seja bem-vinda. Venha partilhar o alimento da eternidade. Nós somos os Imortais de Qarth.- Longamente a esperamos – disse uma mulher ao seu lado, vestida de rosa e de prata. O seio que deixava nu à moda qartena, era tão perfeito como um seio podia ser.- Sabíamos que viria até nós. – disse o rei feiticeiro – Já sabíamos disso há mil anos, e temos estado todo esse tempo à espera. Enviamos o cometa para lhe mostrar o caminho.- Temos conhecimento a partilhar com você. – disse um guerreiro com uma brilhante armadura esmeralda -, e armas mágicas para lhe dar. Ultrapassou todos os desafios. Venha agora sentar-se conosco, e todas as suas perguntas serão respondidas.”
Essa é um momento que deixa ainda mais forte a teoria do Azor Ahai. Os Imortais ligam Daenerys diretamente ao cometa. E mais, que esse cometa foi enviado para ela aprender algo com eles, e ganhar armas mágicas... Mas que armas são essas? Daenerys saiu de lá sem nada além do conhecimento. Qual foi a arma mágica que ela recebeu? Dom das visões... Dany passa a ter sonhos proféticos mais fortes depois da Casa dos Imortais. Será que só se manifestará mais na frente?
        “Mãe e dragões...filha de três...
...Três cabeças tem o dragão......Três fogueiras tem de acender...uma pela vida, uma pela morte, e uma para amar......Três montarias tem de montar... uma para o sexo, uma para o terror, e uma para o amor......Três traições conhecerá... uma vez por sangue, uma vez por ouro e uma vez por amor...“Three head has the dragon...Three fire must light… One for life…One for death…One to love…Three mounts you must ride… One to be… One to dread… One to love…Three treasons will you know… One for blood… One for gold…One for love”
     Percebam que há diferenças de traduções que mudam completamente o nosso entendimento da profecia... Por exemplo, na primeira frase, na tradução está pelo amor, mas o trecho original diz to love, que é um verbo, ou seja, para amar, não pelo amor ou por amor.
          Assim como no trecho seguinte, uma para o sexo, no trecho original diz to bed, para dormir, para a cama, dificilmente eles interpretam isso como para o sexo, mas a melhor das hipóteses seria para a cama, que fica ambíguo.
Tendo em vistas essas ressalvas, a profecia ficaria assim:

Três cabeças tem o dragão...
Três fogueiras deve acender... Uma pela vida... Uma pela morte... Uma para amar
Três montarias deve montar... Uma para a cama...Uma para o terror... Uma para amar...
Três traições conhecerá... Uma por sangue...Uma por ouro...Uma por amor...
                Fica a dúvida sobre a ordem dos acontecimentos, e talvez não tenha ordem certa, e aconteça como tudo na Casa dos Imortais tinha mostrado até aquele momento: Passado, futuro, presente... Tudo misturado. Tentando achar uma possível padrão para as visões que Dany tem, mas não há. Presente, passado, futuro, irreal... não tem uma ordem certa, sendo assim, podemos definir que a profecia também não segue, necessariamente nessa ordem. Mas deve ter passado, presente, futuro, e quem sabe até algo que não vá acontecer.
A fogueira pela vida é obviamente o nascimento dos dragões, talvez a parte mais fácil.
A fogueira pela morte, pode ser alguém que Daenerys e Drogon irá matar. Com a guerra em Meeren é bem possível que isso ocorra, os dois voltem e queimem os navios com os inimigos.
A fogueira para amar é que ainda confunde. A vida amorosa de Daenerys é bem confusa, e desastrosa. Não vejo motivos para Daenerys fazer isso ou por quem ela faria.
Uma montaria para cama. Pode ser a sua égua, que a levou para a noite de núpsias, ou pode ser um dos amantes de Dany, Daario, talvez.
Uma para o terror. Outra referência a um dos dragões. O Drogon, já que Dany é quem o monta.
Uma para amar. De novo fica complicado cravar algo de concreto sobre amor. Mas montaria, se for interpretar a moda Dothraki pode ser homens, sexo. Ou seja, montaria para o sexo, o Daario, montaria para o terror talvez o Drogo. Ele era um cara que colocava medo e respeito nas pessoas, e a própria Daenerys se sentiu intimidada por ele. E para amar seria aberto. Ou poder o Drogo. Pessoalmente nunca me agradou a relação de Dany e Drogo, mas quem sabe. Drogo poderia preencher uma das duas.
Agora, as três traições...
Uma por sangue. Isso para mim foi o Viserys. Ele traiu a confiança de Daenerys quando a vendeu para o Khal, quando tentou matá-la.
          Mas aí se perguntam, por que a casa dos imortais mostraria coisas que já aconteceram para ela... E quando eles não fizeram isso? No começo eles avisam, passado, presente, futuro e coisas que não acontecerão. Ou seja, Daenerys já tinha que ter entrado alerta quanto a esse aviso.
Uma vez por ouro. Essa para mim é um daqueles mercenários que traíram Daenerys no quinto livro, que estão trabalhando para a Harpia.
Uma vez por amor. Aqui talvez também já tenha se resolvido, com o Jorah. Lembrando que para gente isso aqui parece meio bobo porque já sabemos dessa traição, mas essa é uma profecia do segundo livro, Daenerys ainda não conheceu os mercenários que irá traí-la. E mais, ela ainda não sabe com total certeza quem fez isso. E Jorah que também não tinha sido descoberto.”
       Fora isso, os Imortais mostraram mais do que essa profecia para ela, talvez essas traições sejam o combustível para Daenerys decidir de vez partir para Oeste.



“Então fantasmas estremeceram através da névoa, imagens em índigo. Viserys  gritou quando o ouro derretido escorreu por sua cabeça e encheu sua boca, Um senhor alto om pele de cobre e cabelo louro, ergueu-se sob um estandarte com um garanhão fogoso, tendo uma cidade incendiada como fundo. Rubis escorreram como gotas de sangue do peito de um príncipe moribundo, e ele caiu de joelhos na água, e com seu último suspiro murmurou um nome de mulher... Mãe de dragões, filha da morte...Brilhando como o pôr do sol, uma espada vermelha foi erguida na mão de um rei de olhos azuis que não projetava sombra. Um dragão de pano oscilou em mastros por cima de uma multidão exultante. De uma torre fumegante, um grande animal de pedra levantou voo, exalando fogo de sombras... Mãe de dragões, matadora de mentiras...Sua prata trotou pela grama, dirigindo-se a um riacho sombrio sob um mar de estrelas. Um cadáver ergue-se à proa de um navio, de olhos brilhantes na face morta, lábios cinzentos sorrindo tristemente. Uma flor azul cresceu de uma fenda numa muralha de gelo e encheu o ar de doçura... Mãe de dragões, noiva do fogo[...]”
                 Ela vê um momento do passado, na morte do Viserys, um futuro que nunca acontecerá que é o seu filho se tornando o garanhão que monta o mundo, vê seu irmão Rhaegar nos seus últimos minutos de vida, agora quem será a mulher que ele murmurou o nome? Acho que só vamos saber quando Daenerys ouvir o nome de Elia ou Lyanna. Ele fala, Mãe dos dragões filha da morte. Talvez uma referência de que Daenerys nasceu em um momento em que praticamente todos os membros de sua casa pereceram. Seus sobrinhos, seus pais, seu irmão mais velho. Ela nasceu de uma família extinta e morta. Sem contar que a mãe dela morreu durante o parto dela. Viu uma cena do começo do livro de Stannis. 
          E essa cena acordando os dragões de pedra só podem ser duas pessoas. Se é que isso vai acontecer. A própria Daenerys, se ela chegar em Westeros e aportar em Pedra do Dragão, e talvez o falso Aegon. Ninguém além dos dois usam um estandarte de Dragão, e não há outro além dos Targaryen e  Blackfyre. Mãe de dragões, matadora de mentiras... Melissandre afirma que Stannis é Azor Ahai. Talvez seja Daenerys aquela que irá acabar com essa mentira. Difícil, já que Stannis está em uma situação difícil no Dança dos Dragões e Daenerys não dá sinais de que irá para Westeros. Mas tem o segundo trecho, que pode ser referência a Aegon VI,  que ele seja uma mentira. O problema é a cena desse dragão de pedra... Talvez um truque de Melissandre? Um truque de Varys e Illyrio?  Se tentarmos ir para algo mais literal, o dragão seria o Aegon.
      Mãe de Dragões, noiva do fogo. Acho que o mais intrigante desse ponto é o cadáver na proa do navio. Quem costuma navegar? Greyjoys. Euron, Victarion. Mas outra pessoa, que morreu num navio e que tem mais ligação com Dany pode ser a resposta. O Meistre Aemon. Ele queria muito ajudar Dany, mas já estava velho, o sorriso triste talvez seja por seu descanso, indo se encontrar com sua família, afinal Aemon viu toda perdição de sua família, e  triste por não ajudar a última Targaryen em sua tarefa.
                 A flor azul e a Muralha é o Jon. Não tem como ser outra coisa. Ainda mais agora que a série confirmou que Lyanna é a mãe de Jon. E essas flores azuis são as flores preferidas dela.  O ar se encheu de doçura. Dany pode ter ficado esperançosa ao ver que tinha, mesmo que só pela metade, alguma continuação dos Targaryen nesse mundo. Há uma possibilidade dela se sentir atraída pelo Jon. Mas essa ar cheio de doçura, provavelmente não vamos ver um embate entre esses dois. Mas vai saber. Como disse o Kit: They will fight or fuck. Or both.


“ E as visões vieram, cada vez mais rápidas, uma após a outra, até parecer que o próprio ar tinha ganhado vida. Sombras rodopiaram e dançaram dentro de uma tenda, elásticas e terríveis. Uma menininha correu descalça para uma grande casa com uma porta vermelha. Mirri Maz Duur guinchou entre as chamas, com um dragão irrompendo de sua testa. Atrás de um cavaleiro prateado, o cadáver ensanguentado de um homem nu foi arrastado aos solavancos. Um leão branco correu por pastos mais altos do que um homem. À sombra da Mãe das Montanhas, uma fileira de velhas nuas saiu de um grande lago e ajoelhou-se tremendo diante dela, com a cabeça cinzenta inclinada.”
               Outra referência a essa casa de Braavos. Veja como a infância de Daenerys tem uma parte importante, é a única que aparece, de fato, mais de uma vez nas visões da casa dos Imortais.
              Não lembro que o possa ser esse cavaleiro prateado. Se eu tiver alguma ideia depois eu adiciono ao texto.
              O leão branco é o Tyrion. Leões brancos, são mutações raras. Os Lannister são leões dourados, mas o Tyrion tem os cabelos menos louros que os irmãos. Além disso, o leão branco é diferente, um ponto fora da curva. Uma mutação, como o nanismo do Tyrion.
“Dez mil escravos ergueram mãos manchadas de sangue enquanto ela passava por eles a galope em sua prata, correndo como o vento. “Mãe”, gritavam. “Mãe, mãe!” Estendiam as mãos para ela, tocavam-na, puxavam o seu manto, a barra de sua saia, seu pé, sua perna, seu seio. Desejavam-na, necessitavam dela, do fogo, da vida, e Dany arquejou e abriu os braços ára se entregar a eles...Mas, então, asas negras esbofetearam sua cabeça, e um grito de fúria cortou o ar índigo, e de repente as visões desapareceram[...]”
       Esse trecho tem ligação com a cena em que Dany liberta os escravos, mas também é uma referência ao esquecimento de Dany sobre quem ela é. Ela se acostumou demais a ser Mhysa e se esqueceu que ela também é mãe dos dragões, por isso a fúria do Drogon. No começo do capítulo os Imortais falam que o Drogon tem personalidade, e isso é algo que a gente percebe bem no quinto livro, na cena da Arena, Dany consegue interpretar bem o animal ao olhá-lo.





         Esse foi o grandioso capítulo da Casa dos Imortais, presente na Fúria dos Reis. Nas primeiras edições em português, é da pág 449 à 456. Não sei na versão pocket ou em inglês, nem como estão as novas impressões. Mas é o quarto capítulo de Daenerys, o quinquagésimo primeiro dos livros.
Se gostaram divulguem para os seus amigos, deu muito trabalho para fazer, espero que tenham gostado, e a próxima teoria vai ser o sobre o Limoeiro. Não foi por escolha minha, coloco várias teorias em um potinho e tiro o nome.
Sigam o instagram CavaleiroSolitário, lá eu divulgo com antecedêcia o próximo texto do blog, até.

Nenhum comentário:

Postar um comentário